sexta-feira, 24 de abril de 2009

Banalização dos Palavrões

Já faz algum tempo que eu queria escrever algo sobre isso, na faculdade já discutimos algumas vezes sobre a força do palavrão. Minha primeira intenção era escrever sobre os palavrões, mas refletindo aqui em casa, cheguei à conclusão de que xingar já não é mais como antigamente. Foi-se o tempo em que você mandava alguém se fud** e a pessoa se sentia ofendida, hoje, um “vá se fud**” é coisa que se diz para amigos, vamos à análise.


Como já falei dele, terminarei, o “vá se fud**” ou “se fud**”, como preferir, perdeu sua magia, sua força, aquele espírito de revolta. Atualmente, você manda alguém se fud** por qualquer bobagem, vamos ao exemplo: seu amigo chega e fala “E esse ‘Jahia’, vai cair?”, qual a primeira resposta que vem à cabeça “vá se fud**, rapaz”, na verdade você não quer ofender seu amigo, apenas quer responder negativamente à pergunta dele, um “que nada” resolveria a questão.


Seguindo a linha do “fud**”, falarei do “fod*-se”, hoje em dia, “fod*-se” é um “tô nem aí” de luxo, não ofende, não agride, apenas evidencia sua indiferença à algo. Vamos ao exemplo: Alguém fala “a aula de latim já começou”, o que você responde “Ah, fod*-se, vou comer em biologia”. Um “Tô nem aí(...)” resolveria o problema, mas claro, não tem o charme do “fod*-se”.


Outro palavrão que vem perdendo força é o “vá tomar no c*”, praticamente aconteceu o mesmo processo que aconteceu com o “vá se fud**”, você não fala pra ofender. Por outro lado,Leandro Hassum e o Marcius Melhen (Nós na fita) afirmam que hoje em dia pra mandar alguém tomar no c* e ofender, você tem que dar o “endereço”, algo mais ou menos “Vá tomar no meio do olho de seu c*”.

Um palavrão clássico que foi banalizado é o “porra”, esse eu nem “censuro”, porque já virou vírgula, porra é tudo, menos palavrão. É advérbio de intensidade (Gente pa porra), é advérbio de lugar (Vá pa porra), é interjeição (PORRA!) é até uma espécie de “câmbio” (aqueles do walk talk), enfim, “porra” tem mil e uma utilidades. Porra já faz, praticamente, parte da norma culta, se dependesse de mim, já estaria nas gramáticas.


Então é isso, muitos palavrões foram banalizados, o “vá se fud**”, “fod*-se”, “vá tomar no c*”, “porra”, “viado”(não citei, mas esse já virou sinônimo de “brother”), “corno”(não citei, mas também já é sinônimo de “brother”) etc. Ainda existe, porém, alguns que não foram, o caso do “filho da put*” (mas já ta se desgastando), “desgraç*”, “put* que pariu”, entre alguns que não lembro agora. Temos que lutar para que isso não ocorra, diga não a banalização dos palavrões.


Ps. Eu avisei que escreveria se a idéia fosse idiota ;D

Um comentário:

Naiara LuaNova disse...

Alguém fala “a aula de latim já começou”, o que você responde “Ah, fod*-se, vou comer em biologia”. (2)